Atendimento ao Cliente
71 3338.8555

NOTÍCIAS

Por que tanta gente não consegue relaxar no fim de semana?

Eles encerram o expediente na noite de sexta-feira, mas continuam mandando e-mails até a madrugada. Eles atendem o telefone na hora de folga ou perdem o sono diante de um prazo apertado. Na segunda-feira de manhã, parece que eles passaram o fim de semana inteiro diante do computador, abastecidos de café.

Atualizado em 02/09/2016

Por que algumas pessoas não conseguem simplesmente relaxar nos fins de semana?
 
No mundo inteiro, uma inebriante combinação de ambições individuais, culturas corporativas brutais e tecnologia está contribuindo para uma galopante crise de estresse. O Instituto Americano do Estresse estima que o problema cause um prejuízo de produtividade da ordem de US$ 300 bilhões para a economia dos Estados Unidos.
 
Segundo uma pesquisa do site de viagens Expedia, apenas 53% dos trabalhadores voltam descansados das férias.
 
Na Grã-Bretanha, fala-se na síndrome do sábado, a estranha propensão a ficar doentes nas horas de folga - algo que pode estar relacionado a uma espécie de abstinência do estresse.
 
Nos Estados Unidos, estabeleceu-se informalmente a semana de 60 horas - um hábito que comprovadamente aumenta o risco de enfarte. No Japão, já inventaram até um termo para o problema: "karoshi", ou morte por estafa.
 
No Brasil, teme-se que a crise econômica e o consequente aumento da pressão sobre os trabalhadores se reflita em crescentes índices de estresse.
 
Estresse nas redes sociais
 
Para profissionais comuns, como Samantha King, gerente de projeto no setor financeiro em Londres, até o ato de relaxar se tornou estressante, por conta das redes sociais. "Se você fica sem postar no Facebook ou no Instagram - com um 'hashtag fazendo isso', 'hashtag fazendo aquilo' - nem que seja por metade do dia, logo os amigos começam a perguntar se está tudo bem."
 
Mas para cada trabalhador bocejante com dificuldades de encarar a segunda-feira, há sempre aquele cheio de energia que parecem descansado e capaz de enfrentar uma carga de tarefas ainda mais pesada.
 
Por que alguns conseguem e outros não?
 
"Quando você leva para casa os problemas do escritório, você está mantendo
aquela resposta fisiológica ativa. Se isso se prolongar, o resultado não é muito favorável", explica Jennifer Ragsdale, psicóloga na Universidade de Tulsa, no Estado americano de Oklahoma.
 
Durante anos, pesquisadores compararam as relativas virtudes dos fins de semana passados diante do computador com aqueles aproveitados para dormir ou fazer atividades fora de casa. Mas para Ragsdale, duas pessoas podem reagir de maneira diferente à mesma experiência, o que poderia invalidar esses estudos.
Viés negativo natural
 
O tema do estresse passou a interessar a psicóloga em 2011, quando ela notou uma grande diferença entre a maneira como seus colegas voltavam do fim de semana.
 
Em sua pesquisa, 183 profissionais de vários setores responderam a questionários todos os domingos à noite relatando como passaram os dias de folga e como estavam se sentindo. As atividades eram classificadas como "de pequeno esforço" (como tomar um banho) ou "ligadas ao trabalho" (preencher documentos, responder e-mails etc).
 
Em seguida, os mesmos voluntários eram testados para determinar sua disposição emocional. Eles recebiam uma lista de sentimentos positivos (entusiasmados, interessados) e negativos (nervosos, aborrecidos) e precisavam apontar quais se aplicavam a si.
 
Como era de se esperar, o grupo com uma abordagem mais positiva teve mais facilidade de se livrar dos estresses do trabalho. Aqueles com mais "efeitos negativos" tendiam a ter dificuldades em relaxar, independentemente da atividade escolhida.
 
Mas as coisas são mais complicadas do que isso, porque nem todo o mundo se adequa perfeitamente a uma categoria ou outra. Aqueles com mais aspectos positivos tiveram mais dificuldades no chamado "domínio" - a capacidade de ver desafios como algo a ser dominado e não a ser evitado -, caso também tivessem mais tendência a "enrolar".
 
Ragsdale acredita que isso esteja relacionado a um viés negativo natural que temos: se tudo é igual, o ser humano tende a dar mais atenção a experiências menos prazerosas.
 
Mudança de atitude
 
Segundo a psicóloga Jane Clark, especializada em psicologia do trabalho, para algumas pessoas até a tentativa de relaxar pode ser contraproducente. "Esses indivíduos preferem não acumular trabalho e por isso não conseguem descansar quando deveriam", explica.
 
Isso é algo de que Corrine Mills, consultora de carreiras em Londres, entende bem. "Algumas pessoas não são muito boas em ficar paradas, em um ambiente calmo. Elas precisam fazer alguma atividade", diz. Ela recomenda uma caminhada, uma atividade como a ioga ou outra coisa que tire a atenção do trabalho por alguns minutos.
 
Se você é uma dessas pessoas que tende a acumular "efeitos negativos" e não consegue relaxar no fim de semana, há outras maneiras de mudar de comportamento. Nossas experiências com o repouso estão também relacionadas à atitude, e há maneiras simples de mudar o jeito de pensar.
 
Ragsdale sugere aprender a recolocar seus pensamentos de uma maneira positiva - tentando buscar o lado bom de suas tarefas e de seu trabalho em vez de ruminar sobre os problemas. Muitos estudos já provaram que adotar essa estratégia pode reduzir o risco de estafa, além de promover mais iniciativa, criatividade e cooperação por um período prolongado.
 
Por isso, se você conseguir mudar sua maneira de encarar as dificuldades e mantiver o estresse à distância, logo vai se ver perguntando o que fazer com tanto tempo livre. Só não se esqueça de aparecer no escritório na segunda-feira.
Fonte: BBC Brasil