Atendimento ao Cliente
71 3338.8555

NOTÍCIAS

Pesquisadora tira as principais dúvidas sobre o Zika Vírus - doença que deixou Brasil em alerta

"Meu marido pegou zika, é arriscado engravidar?" veja essa e outras 11 respostas sobre o vírus.

Atualizado em 22/03/2016

Embora a medicina avance diariamente no mapeamento e compreensão do zika, a velocidade com que ele avança deixa para trás um rasto de dúvidas. As lacunas vão desde os cuidados na prevenção da doença até o mecanismo e agressividade do vírus, que, ainda no começo deste mês, já é responsável pela morte de três pessoas, e mais de 5.000 casos suspeitos de microcefalia de filhos de mulheres que contraíram a doença durante a gestação.
 
Na opinião da patologista pediátrica associada da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) e professora de Medicina da PUC-PR, Lúcia de Noronha, o grande "pânico" atual em relação ao zika vem justamente da falta de informação a seu respeito. A médica, que conduziu uma pesquisa realizada pelo Instituto Carlos Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Paraná em conjunto com a PUC-PR, em que se descobriu que o vírus tem a capacidade de atravessar a placenta, responde, em entrevista exclusiva, a algumas das perguntas mais comuns sobre o zika vírus e suas consequências
 
O zika que circula no Brasil é mais perigoso do que se imaginava, já que foi confirmada nesta semana a terceira morte provocada pelo vírus?
 
É muito cedo para termos essa resposta. Até porque vários dos óbitos relacionados ao zika muitas vezes acontecem em situações de comorbidade, quando a pessoa tem alguma outra doença. Às vezes o paciente tem alguma suscetibilidade ao vírus, ou uma doença crônica, ou são pessoas muito jovens ou muito idosas
 
 
Como se explica o fato de que no Brasil já há a suspeita de mais de 4.000 casos de microcefalia ligados ao zika vírus, enquanto em países como a Colômbia, onde 3.200 gestantes notificaram a infecção pelo vírus, não haver um único caso de microcefalia até o momento? 
 
 
Pode ser uma mutação, e não é o mesmo vírus, ou não estamos comparando as coisas certas. Temos que pensar nos universos de comparação, e talvez não estejamos comparando, na Colômbia, universos corretos.
 
Se o zika vírus já estava presente na África e na Ásia há décadas, por que a ligação com a microcefalia não foi confirmada antes?
 
Existem várias teorias para explicar isto. Uma delas é que países nestes continentes podem enfrentar problemas de saúde pública, e pode ser que lá não houvesse essa preocupação. Na Polinésia Francesa, por exemplo, relataram microcefalia, só que lá o aborto é permitido. Então, talvez as mulheres que tinham fetos que foram diagnosticados com má-formação, pensaram que era de causa genética e abortaram. Outra hipótese é que este vírus venha mutando ao longo do tempo, já que os vírus mutam facilmente.
 
Até sair a vacina, dá para se esperar que algum medicamento controle o zika de alguma maneira?
 
Acho muito difícil. Na medicina, temos muitos antibióticos, que diminuem quantidade de bactérias, mas medicamentos antivirais, não.
 
Mulheres com o zika confirmado podem amamentar?
 
Já existem evidências de vírus no leite materno, mas isso não significa que necessariamente ele passe da mãe para o bebê. Até onde sabemos, precisaria de contato sanguíneo para transmitir. O leite contaminado pelo zika vai cair no estômago do bebê e pode ser que ele digira o vírus. O ideal é a mulher buscar a orientação de seu obstetra.
 
Quero engravidar, e meu marido teve zika recentemente. É arriscado?
 
Sim. Existem evidências de que está presente na saliva e no sangue, mas não se sabe se ele pode ser transmitido desta maneira. Em relação ao sêmen já sabemos que é possível, porque acompanhamos o caso de um paciente americano que foi à Venezuela, pegou a doença, voltou aos EUA, em uma área em que não há o zika, e a mulher dele foi infectada. Portanto, parece que houve uma transmissão sexual.
 
Mulheres grávidas ou amamentando podem usar repelente?
 
Sim, existem vários repelentes indicados para gestantes, assim como há para bebês e crianças pequenas.
 
Usando o repelente, posso confiar 100% que não serei picada pelo mosquito?
 
Isso de 100% não existe. Até porque os repelentes têm um tempo de ação. Tudo vai depender de como usou, onde usou, como usou etc.
 
Depois de comprovado que fui infectada, qual o prazo seguro para engravidar sem preocupação?
 
Essa resposta ainda não existe. Existem vários estudos tentando identificar quanto tempo depois da infecção e da doença curada o vírus desaparece. Isso se chama cronificação do vírus, que é o tempo que o paciente fica portador.
 
O que uma mulher grávida deve fazer caso tenha visitado um lugar com surto de zika recentemente?
 
Ela pode fazer um teste, não vai servir para nada além de saber se teve ou não a doença em algum momento. Se teve, não há mais o que fazer. Além disso, os testes hoje para diagnóstico são difíceis. No momento em que o vírus está ativo, o exame pesquisa o rna no sangue. Depois que a infecção já foi curada, pesquisa-se uma “cicatriz” no sangue. O segundo passo depois de a mulher descobrir que teve a doença seria acompanhar esse bebê com mais exames, junto com o obstetra.
 
Com a confirmação de três mortes pelo vírus no Brasil, é prudente fazer o teste em crianças?
 
Não vai adiantar nada. É importante lembrar também que as crianças não são necessariamente mais suscetíveis ao vírus, exceto as muito pequenas. Isso porque a suscetibilidade é muito individual. Tem gente que pega mais gripe, gente que pega menos. E este é o grande pânico atual em relação ao zika. Tudo que você não conhece é um monstro, dá medo lidar com o desconhecido. Por isso temos trabalhado bastante a fim de conhecer a biologia do vírus e a sua epidemiologia, para que possamos ensinar melhor a população a se cuidar mais. Especialmente porque, no momento, isso é tudo que as pessoas podem fazer: se cuidar.
 
E no caso de bebês que não apresentam microcefalia, mas cujas mães suspeitam ter contraído zika durante a gravidez, é uma boa ideia fazer o teste, já que o vírus também pode estar ligado a problemas na visão e audição, entre outros?
 
É uma decisão muito pessoal, mas pode, sim, fazer. O mais adequado nesses bebês com zika positivo é um bom controle de desenvolvimento psicomotor, para ver se, ainda que não apresente a microcefalia, eles não teriam alguma outra coisa. No entanto, a pior sequela que detectamos até agora é a microcefalia.

 

Fonte: R7