Atendimento ao Cliente
71 3338.8555

DR. LEME RESPONDE

Quem não deve comer glúten e quais alimentos evitar?

A Doença Celíaca (DC) é uma doença autoimune, caracterizada por uma intolerância a alimentos que possuem glúten, em indivíduos geneticamente suscetíveis.

Esses alimentos são derivados do trigo, centeio, cevada, aveia e malte (pão, macarrão, biscoitos, refrigerantes de “cola”, salsicha, salaminho, presunto, caramelo e muitos outros).

O glúten agride e danifica as vilosidades do intestino delgado prejudicando a absorção dos nutrientes dos alimentos.

A idade de apresentação mais comum é entre os 6 meses e 2 anos de idade (geralmente quando a amamentação é suspensa e alimentos derivados do trigo são introduzidos). Porém cada vez mais adultos estão sendo diagnosticados com a doença celíaca. A imensa maioria dos pacientes celíacos é assintomática ou oligossintomática (que tem poucos ou quase nenhum sintoma).

 

Sintomas da Doença Celíaca:

Diarreia crônica    Esteatorreia (presença excessiva de gordura nas fezes)

Emagrecimento   Desnutrição     Apatia    Irritabilidade

 Baixo crescimento     Perda de peso      Vômitos    Desidratação

 Dor abdominal      Edema periférico       Distensão abdominal

 Anemia     Osteopenia    Osteoporose      Infertilidade   Flatulência

O diagnóstico de doença celíaca é feito a partir da combinação de achados no exame clínico, testes sorológicos e biópsia duodenal.

 

Testes sorológicos para diagnóstico:

- Anticorpos anti-endomísio

- Anti-transglutaminase tecidual

- Anticorpos anti-gliadina nativa

- Anticorpo anti-gliadina deaminada

 

 

           

 

 

 

O tratamento é predominantemente dietético, devendo ser evitado alimentos à base de trigo, aveia, cevada, centeio e malte. Os sintomas tendem a regredir completamente caso sejam retirados os alimentos em questão.

Pessoas com doença celíaca têm um risco aumentado de câncer de intestino delgado, incluindo o linfoma e adenocarcinoma. Manter uma dieta livre de glúten parece reduzir o risco de câncer em pessoas com esta doença.

Fonte: Dra. Maria Betânia Senna